09/12/2019

Bolsonaro e o desmonte da educação

Dezenas de milhares de estudantes e professores protestaram em todo o país em 30 de maio contra uma proposta da administração Jair Bolsonaro para cortar o orçamento de Educação Pública do Brasil e passar fome departamentos de Humanidades universitárias de recursos. Mais informações sobre a educação brasileira podem ser vistas no site www.inscricaoencceja.com.br e tenha informações mais detalhadas sobre a educação no Brasil.

Foi a segunda manifestação de massa em duas semanas contra as Políticas Educacionais do novo presidente de divisão do Brasil.

Manifestantes em cidades e vilas de todo Brasil saíram às ruas para condenar uma proposta do Ministério da educação para reduzir o financiamento das universidades públicas brasileiras em 30% durante o restante de 2019. O ministério também está considerando retirar financiamento inteiramente dos departamentos de Filosofia e sociologia das universidades públicas.

O objetivo seria “focar em áreas que geram retorno imediato ao contribuinte, como Veterinária, Engenharia e medicina”, escreveu Bolsonaro no Twitter em 26 de abril.

A educação em desordem

Bolsonaro, um conservador provocador que assumiu o cargo em Jan. 1, foi eleito em novembro com promessas de reestruturação radical do Brasil, incluindo suas escolas.

O sistema de educação pública cronicamente subfinanciados do Brasil tem lutado para pagar manutenção e serviços públicos desde que o país entrou em recessão em 2015. Em 2016, o governo conservador do presidente Michel Temer aprovou uma medida de austeridade que cerceou todos os gastos públicos federais em 2016 por um período de 20 anos.

As universidades públicas federais no Brasil dependem inteiramente do governo central para seus orçamentos, embora possam buscar subsídios de pesquisa e outros fundos em uma base de projeto. Os governos estaduais mantêm suas próprias universidades no Brasil.

A fim de” banir as ideologias da esquerda ” das salas de aula, o presidente se opõe ao estudo de quaisquer assuntos relacionados à diversidade sexual, igualdade de gênero ou racismo.

Bolsonaro acredita que as mulheres devem receber menos do que os homens porque a gravidez é uma responsabilidade financeira para as empresas, e que os africanos escravizados vieram ao Brasil por escolha própria. Ele quer que os estudantes brasileiros também aprendam essas lições.

Bolsonaro também planeja mudar os recursos de educação limitados do governo federal para se concentrar no Ensino Fundamental e secundário, tirando dinheiro do ensino superior e da pesquisa científica.

Mas os esforços do presidente para implementar a sua agenda de educação têm fracassado até agora. Inicialmente, o problema era uma desordem no Ministério da educação.

O primeiro ministro da educação de Bolsonaro, o filósofo Colombiano Ricardo Vélez Rodrígues, contou com o apoio de poderosos evangélicos no Congresso do Brasil. Mas sua falta de experiência de gestão e ignorância da maquinaria administrativa Brasileira criou tensão dentro do Ministério da educação.

Em fevereiro, Vélez dirigiu a todas as escolas para recitar o slogan de campanha de Bolsonaro, “Brasil acima de tudo, Deus acima de tudo”, depois de cantar o hino nacional. A ordem violou a separação constitucional do Brasil entre igreja e estado.

Velez também fez comentários públicos que envergonharam a administração Bolsonaro.

Em fevereiro. 19 entrevista com a revista Veja, Vélez, disse que as escolas Brasileiras deveriam ensinar mais cursos de formação cívica, porque “os Brasileiros se comportam como os canibais, ao viajar, roubar coisas de hotéis, roubar salva-vidas debaixo de seu assento de avião, roubando tudo o que podem.”

Vélez foi demitido em 8 de abril, quatro meses após o mandato de Bolsonaro.

Propostas controversas

O sucessor de Vélez, Abraham Weintraub, é um economista universitário e executivo financeiro. Ele também acredita que há uma “conspiração comunista para tomar o poder na América Latina.”

Para expor os professores que empurram “doutrinação esquerdista” na sala de aula, Weintraub incentivou os alunos a filmar essas aulas e enviar os vídeos para o governo.

Bolsonaro apoia esta ideia. Em 28 de abril, ele postou no Twitter um vídeo de celular no qual uma estudante confronta uma professora que expressa sua preocupação com o número de oficiais militares no governo de Bolsonaro.

“Os professores devem ensinar e não doutrinar”, escreveu Bolsonaro no Twitter.

Em abril, ele sugeriu que o Ministério da educação deixasse de financiar três escolas – a Universidade de Brasília, a Universidade Federal Fluminense do Rio e a Universidade Federal de Juiz de Fora, no Estado de Minas Gerais – para “promover a desordem em seus campus”

Suas ofensas incluíram receber o ex – ministro da Educação Fernando Haddad-adversário de Bolsonaro na eleição presidencial de 2018 – como palestrante do campus e realizar seminários sobre o futuro do ensino superior sob Bolsonaro.

Após acusações de que os cortes no orçamento constituíam perseguição política, Weintraub parecia recuar. Em 15 de maio, anunciou que a redução de 30% do orçamento proposta se aplicaria a todas as universidades públicas brasileiras.

Foi quando começaram os protestos em massa.

A educação é como uma caixa de chocolates.

Os controversos cortes no orçamento educacional do Brasil não são um negócio fechado. Devem ser aprovados pelo Congresso e implementados pelo Ministério da economia.

Entretanto, os pormenores da proposta continuam a mudar radicalmente.

Weintraub foi convocado ao Congresso em 9 de maio para apresentar sua política de educação aos legisladores duvidosos. Lá, em contraste com declarações públicas anteriores, ele explicou que ele queria reduzir todo o orçamento do Ministério da Educação em 30% – não apenas o financiamento público da Universidade.

Como tal, as próprias universidades deveriam ver o seu financiamento reduzido em 3% para 4%.

Usando chocolates para demonstrar o seu plano, Weintraub colocou  e reservou três.

“Estamos apenas a pedir Três chocolates destes 100 chocolates, três chocolates e meio”, disse ele.

Os administradores da Universidade dizem que até alguns chocolates perdidos os deixariam incapazes de pagar pela água e pela electricidade. Alguns estão agora a pensar em procurar financiamento privado para colmatar o défice orçamental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *