21/11/2019

Parte do desmonte da educação brasileira

O presidente Jair Bolsonaro diz que está procurando fazer grandes mudanças no sistema educacional de seu país.

Autoridades brasileiras anunciaram recentemente planos para remover temas relacionados ao feminismo, homossexualidade e violência contra as mulheres dos livros escolares. Dizem que os militares vão tomar conta de algumas escolas públicas. Bolsonaro e outras autoridades também criticam as ideias de Paulo Freire, um dos mais famosos educadores do Brasil.

O anúncio diz respeito a muitos professores e funcionários da educação. Dizem que o Governo quer lutar contra um inimigo que não existe.

Os alunos podem não encontrar muitas diferenças como eles retornam à escola Este mês, mas as mudanças estão no caminho.

Para o governo, a batalha ideológica começa com a remoção do legado de Freire nas escolas. Bolsonaro e outros dizem que a maneira de pensar de Freire transforma estudantes em, em suas palavras, “militantes políticos.”

Dizem que os métodos de Freire incentivam os estudantes a ir contra os valores tradicionais, como a família e a Igreja.

Bolsonaro e seu ministro da educação parecem estar tomando ideias sobre educação de pessoas como Olavo de Carvalho. De Carvalho é um brasileiro que vive nos Estados Unidos e é conhecido por seus pontos de vista Anti-globalistas e anti-socialistas. Ele também tem ideias sobre terra plana e feto de bebes em garrafas de refrigerantes.

Freire acreditava que o governo tem a responsabilidade de educar o povo brasileiro, incluindo os agricultores pobres e aqueles incapazes de ler. Mas de Carvalho acredita em reduzir o papel do governo na educação. Em vez disso, as escolas privadas ou religiosas deveriam ter essa responsabilidade.

Durante uma palestra sobre educação no YouTube, de Carvalho disse: “o governo não tem que educar ninguém; é a sociedade que tem que se educar.”

O Brasil tem 13 escolas militares. Eles são destinados a educar crianças de soldados, mas também aceitar alguns alunos com base no mérito. O exército é a instituição mais respeitada do país. Suas escolas são consideradas melhores do que muitas escolas públicas.

No ano passado, 39,5 milhões de estudantes frequentaram uma escola pública. Escolas privadas serviram 9 milhões de estudantes. Os opositores dizem que a forma como as escolas militares selecionam os alunos acabaria por ser injusta para as crianças que vivem em áreas pobres.

Claudia Costin é diretora do centro de excelência e inovação nas políticas de Educação do Brasil no Rio de Janeiro. Ela disse que os esforços do governo devem centrar-se em coisas como treinamento melhorado e salários para os professores e tornando o teste de entrada para os professores mais difícil. Ela também apoia a ideia de construir um programa comum de estudo para escolas em todo o Brasil.

O governo “reclama da doutrinação na escola”, disse Costin. “Mas não é com leis que se resolvem estas coisas.”

O Brasil foi 63º dos 72 países e áreas do programa de avaliação Internacional de estudantes de 2015. O estudo foi realizado pela Organização de cooperação e Desenvolvimento Económico.

O grupo diz que o Brasil tem um dos maiores números de adultos sem ensino médio. As escolas estão superlotadas, os salários dos professores são baixos e os edifícios escolares necessitam frequentemente de reparações.

Relatórios do Governo dizem que mais de 5.800 escolas não tinham abastecimento de água em 2017. Cerca de 5.000 não tinham eletricidade e 8.400 não tinham sistemas de remoção de resíduos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *